/* Google Analytics */ /* Google Analytics */

sexta-feira, outubro 29, 2010

AGORA EM VÍDEO: Bento XVI contra o aborto x Dilma Rousseff a favor

2 comentários ###
Abaixo segue o vídeo em que S.S. Bento XVI discursa perante os bispos da Regional Nordeste V.



"Quando os projetos políticos contemplam, aberta ou veladamente, a descriminalização do aborto ou da eutanásia, o ideal democrático – que só é verdadeiramente tal quando reconhece e tutela a dignidade de toda a pessoa humana – é atraiçoado nas suas bases (cf. Evangelium vitae, 74)."

E agora vejam Dilma Rousseff dizendo seu "Credo":





Nem desenhar mais é necessário, não é mesmo?

quinta-feira, outubro 28, 2010

Não esqueceremos!

2 comentários ###

Aproveitando o fantástico discurso de S.S. Bento XVI sobre a questão de defesa da vida e da participação de católicos na política, uma frase citada pelo Sumo Pontífice, retirada da Encíclica Evangelium Vitae, encaixa-se perfeitamente em um caso recente e polêmico acontecido no Brasil: a coragem do então Arcebispo de Olinda e Recife, que lutou sozinho contra a imensa maioria da mídia brasileira e da opinião pública para defender a vida de duas crianças que foram mortas sob um manto de enganação e desinformação.
"ao defender a vida 'não devemos temer a oposição e a impopularidade, recusando qualquer compromisso e ambigüidade que nos conformem com a mentalidade deste mundo'"(Evangelium Vitae, 82)
Como deixar de lembrar e louvar o abnegado e incansável trabalho de D. José Cardoso Sobrinho pela preservação da vida de seres humanos ainda não nascidos? Como deixar de lembrar a onda de fúria que se abateu sobre sua pessoa e sobre a Igreja? E enfrentando esta vaga de ódio lá estava D. José, defendendo os ensinamentos da Santa Igreja com a força que vem do alto.

D. José "lutou o bom combate", jamais contemporizou com o mal para se tornar mais popular. Enquanto era incompreendido por tantos e odiado por muitos outros, lá permanecia D. José onde a Igreja precisava que ele estivesse: cumprindo sua missão de pastor, jamais conformando-se com a mentalidade deste mundo

Neste momento em que o Santo Padre esclarece mais ainda o que sempre foi ensinado pela Igreja, o que demonstra a urgência da questão da defesa da vida e a loucura dos que lhe são contrários, lembremos de D. José Cardoso Sobrinho e sua coragem de profeta.

Obrigado, Dom José!

Bento XVI, martelo dos dissidentes

0 comentários ###

E agora D. Demétrio? E agora, "frei" Betto? Com que cara ficarão estes e outros que assinaram uma imoral e irregular declaração de voto à candidata Dilma Rousseff?

O Papa Bento XVI pronunciou palavras firmes sobre a participação de religiosos na política, principalmente sobre a urgência em defender o direito à vida;
"(...) falsa e ilusória qualquer defesa dos direitos humanos políticos, econômicos e sociais que não compreendesse a enérgica defesa do direito à vida desde a concepção até à morte natural"
Que contraste entre estas palavras e as palavras de um D. Demétrio Valentini, de um D. Tomás Balduíno. de um D. Luiz Eccel! Que vergonha ver que estes bispos colocaram suas assinaturas em uma irregular declaração de voto à Dilma Rousseff, e fizeram isto olhando deixando de lado o projeto abortista do PT, que sempre foi abortista.

Este discurso importantíssimo, de alcance mundial, será abordado novamente aqui no blog, mas no momento seguem as claríssimas palavras de S.S. Bento XVI.

Roma falou. Escutem, católicos!


***


Amados Irmãos no Episcopado,

«Para vós, graça e paz da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo» (2 Cor 1, 2). Desejo antes de mais nada agradecer a Deus pelo vosso zelo e dedicação a Cristo e à sua Igreja que cresce no Regional Nordeste 5. Lendo os vossos relatórios, pude dar-me conta dos problemas de caráter religioso e pastoral, além de humano e social, com que deveis medir-vos diariamente. O quadro geral tem as suas sombras, mas tem também sinais de esperança, como Dom Xavier Gilles acaba de referir na saudação que me dirigiu, dando livre curso aos sentimentos de todos vós e do vosso povo.

Como sabeis, nos sucessivos encontros com os diversos Regionais da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, tenho sublinhado diferentes âmbitos e respectivos agentes do multiforme serviço evangelizador e pastoral da Igreja na vossa grande Nação; hoje, gostaria de falar-vos de como a Igreja, na sua missão de fecundar e fermentar a sociedade humana com o Evangelho, ensina ao homem a sua dignidade de filho de Deus e a sua vocação à união com todos os homens, das quais decorrem as exigências da justiça e da paz social, conforme à sabedoria divina.

Entretanto, o dever imediato de trabalhar por uma ordem social justa é próprio dos fiéis leigos, que, como cidadãos livres e responsáveis, se empenham em contribuir para a reta configuração da vida social, no respeito da sua legítima autonomia e da ordem moral natural (cf. Deus caritas est, 29). O vosso dever como Bispos junto com o vosso clero é mediato, enquanto vos compete contribuir para a purificação da razão e o despertar das forças morais necessárias para a construção de uma sociedade justa e fraterna. Quando, porém, os direitos fundamentais da pessoa ou a salvação das almas o exigirem, os pastores têm o grave dever de emitir um juízo moral, mesmo em matérias políticas (cf. GS, 76).

Ao formular esses juízos, os pastores devem levar em conta o valor absoluto daqueles preceitos morais negativos que declaram moralmente inaceitável a escolha de uma determinada ação intrinsecamente má e incompatível com a dignidade da pessoa; tal escolha não pode ser resgatada pela bondade de qualquer fim, intenção, conseqüência ou circunstância. Portanto, seria totalmente falsa e ilusória qualquer defesa dos direitos humanos políticos, econômicos e sociais que não compreendesse a enérgica defesa do direito à vida desde a concepção até à morte natural (cf. Christifideles laici, 38). Além disso no quadro do empenho pelos mais fracos e os mais indefesos, quem é mais inerme que um nascituro ou um doente em estado vegetativo ou terminal? Quando os projetos políticos contemplam, aberta ou veladamente, a descriminalização do aborto ou da eutanásia, o ideal democrático – que só é verdadeiramente tal quando reconhece e tutela a dignidade de toda a pessoa humana – é atraiçoado nas suas bases (cf. Evangelium vitæ, 74). Portanto, caros Irmãos no episcopado, ao defender a vida «não devemos temer a oposição e a impopularidade, recusando qualquer compromisso e ambigüidade que nos conformem com a mentalidade deste mundo» (ibidem, 82).

Além disso, para melhor ajudar os leigos a viverem o seu empenho cristão e sócio-político de um modo unitário e coerente, é «necessária — como vos disse em Aparecida — uma catequese social e uma adequada formação na doutrina social da Igreja, sendo muito útil para isso o "Compêndio da Doutrina Social da Igreja"» (Discurso inaugural da V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe, 3). Isto significa também que em determinadas ocasiões, os pastores devem mesmo lembrar a todos os cidadãos o direito, que é também um dever, de usar livremente o próprio voto para a promoção do bem comum (cf. GS, 75).
Neste ponto, política e fé se tocam. A fé tem, sem dúvida, a sua natureza específica de encontro com o Deus vivo que abre novos horizontes muito para além do âmbito próprio da razão. «Com efeito, sem a correção oferecida pela religião até a razão pode tornar-se vítima de ambigüidades, como acontece quando ela é manipulada pela ideologia, ou então aplicada de uma maneira parcial, sem ter em consideração plenamente a dignidade da pessoa humana» (Viagem Apostólica ao Reino Unido, Encontro com as autoridades civis, 17-IX-2010).

Só respeitando, promovendo e ensinando incansavelmente a natureza transcendente da pessoa humana é que uma sociedade pode ser construída. Assim, Deus deve «encontrar lugar também na esfera pública, nomeadamente nas dimensões cultural, social, econômica e particularmente política» (Caritas in veritate, 56). Por isso, amados Irmãos, uno a minha voz à vossa num vivo apelo a favor da educação religiosa, e mais concretamente do ensino confessional e plural da religião, na escola pública do Estado.

Queria ainda recordar que a presença de símbolos religiosos na vida pública é ao mesmo tempo lembrança da transcendência do homem e garantia do seu respeito. Eles têm um valor particular, no caso do Brasil, em que a religião católica é parte integral da sua história. Como não pensar neste momento na imagem de Jesus Cristo com os braços estendidos sobre a baía da Guanabara que representa a hospitalidade e o amor com que o Brasil sempre soube abrir seus braços a homens e mulheres perseguidos e necessitados provenientes de todo o mundo? Foi nessa presença de Jesus na vida brasileira, que eles se integraram harmonicamente na sociedade, contribuindo ao enriquecimento da cultura, ao crescimento econômico e ao espírito de solidariedade e liberdade.

Amados Irmãos, confio à Mãe de Deus e nossa, invocada no Brasil sob o título de Nossa Senhora Aparecida, estes anseios da Igreja Católica na Terra de Santa Cruz e de todos os homens de boa vontade em defesa dos valores da vida humana e da sua transcendência, junto com as alegrias e esperanças, as tristezas e angústias dos homens e mulheres da província eclesiástica do Maranhão. A todos coloco sob a Sua materna proteção, e a vós e ao vosso povo concedo a minha Benção Apostólica.

quarta-feira, outubro 27, 2010

Lulo-Petismo + Protestantismo de Resultados = Abortismo

1 comentários ###

De vez em quando aparecem por aqui seres vindo das profundezas. Destes, os que mais me enojam é quem, como Edir Macedo e seu protestantismo de resultados, quer usar a religião para justificar a morte cruel de seres humanos não-nascidos.

Mas o triste é ver que o chefão da Universal não vai sozinho em seus delírios. E como a Teologia edirmanecidiana se deteriora em contato com o ar, o que chega aqui é um arremedo de suas idéias demoníacas.

Um apanhado deste discurso das trevas pode ser visto abaixo. Tal peça aqui chegou anonimamente através de comentário.
"O aborto deve sim ser discutido, pois existem muitos tipos de abortos no brasil sendo feitos de maneira cruel, e nao eh uma lei constitucional ou lei de Deus que vai parar as pessoas que queiram fazer aborto o facam, o BRASIL TEM QUE PARAR DE HIPOCRIZIA, pois com lei ou sem Lei o aborto e preticado todos os dias.
Agora eh uma tremenda hipocrizia eh frescura tentar "impedir" a pessoa de matar quem ela queira, sendo que quem vai dar conta com Deus da vida que ela tirar eh a pessoa e nao o preseidente que criou uma lei...ai por favorrr deixem de ser ignorantes...penssemmm....o pecado de matar eh o mesmo de MENTIR...pra deus nao existe pecadinho e nem pecadao...somentes as conseguencias que sao diferentes.
EU SOU A FAVOR DA LEGALIZACAO DO ABORTO...QUE CADA UM DECIDA O QUE QUER FAZER, COMO SEMPRE DECIDIU...HOJE SO EXISTE UM MANTO HIPOCRITA SUSTENTANDO A NAO LEGALIDADE.
DEIXEM DE SER MENTIROSOSSSSS....UM BANDO DE MENTIROSO...
ESSA EH PRA VC AUTOR DESSE BLOG HIPOCRITA."
No confuso discurso do anônimo, ele demonstra seu total desprezo por leis, pois, para ele, parece que só se deve fazer leis que tenham eficácia de 100%. Se existem leis contra o aborto e este é feito mesmo assim, pois que não hajam mais leis -- este é o discurso do abortista anônimo.

Substituindo-se "aborto" por "homicídio" ou "estupro" dá bem para vermos o alcance das palavras do anônimo. Estupros e homicídios não são cometidos todos os dias também? Então, para o anônimo, é melhor liberar, acabar com leis que os punam.

Beira a loucura alguém escrever coisas como "Agora eh uma tremenda hipocrizia eh frescura tentar "impedir" a pessoa de matar quem ela queira". É isto aí, sr. anônimo! Macheza mesmo é deixar quem quer que seja matar seja lá quem for, não é mesmo?

Leis são feitas para educar e para punir. Através da educação tenta-se preventivamente impedir atos ilícitos, e através da punição são castigados os que cometeram tais atos.

Mas o machão anônimo (tão macho que nem mesmo coloca aqui seu nome…) acha que o negócio é liberar geral. "Quer matar? Ninguém deve impedir!" -- é o que basicamente diz o anônimo.

Lulista como ele só, o anônimo quer tirar do presidente a culpa, pois quem vai dar contas a Deus seria a pessoa que fizesse o aborto. Para o anônimo, o presidente só assina uma lei, mas está isento de culpa. Em tal pensamento, Pilatos é como um santo, mesmo que tenha tido a oportunidade de fazer o bem e tenha escolhido omitir-se e contribuir para o mal.

Mas o anônimo machão, que nem está aí para o cruel assassinato de crianças não-nascidas, tem mais para ensinar…
"ai por favorrr deixem de ser ignorantes...penssemmm....o pecado de matar eh o mesmo de MENTIR...pra deus nao existe pecadinho e nem pecadao...somentes as conseguencias que sao diferentes."
Já não é a primeira vez que me deparo com este discurso protestante de que "não existe pecadinho e pecadão". Matar, estuprar, roubar é o mesmo que contar uma mentirinha. Todos os pecados são iguais! Ah, sim: a diferença está nas conseqüências!

Que existem diferenças nas conseqüências é de uma obviedade mais clara que água cristalina. O que fazem questão de mascarar, e o fazem com um propósito, é que as conseqüências só podem ser diferentes porque os pecados variam em intensidade.

Nosso Senhor Jesus Cristo mesmo nos ensinou que:
"Por isso, eu vos digo: todo pecado e toda blasfêmia serão perdoados aos homens, mas a blasfêmia contra o Espírito não lhes será perdoada. " (Mt 12,31)
Se existe uma categoria de pecados que não são perdoados é sinal de que existe sim diferença entre os pecados.

Em outro trecho podemos ver a mesma gradação entre os pecados:

"Se alguém vê seu irmão cometer um pecado que não o conduza à morte, reze, e Deus lhe dará a vida; isto para aqueles que não pecam para a morte. Há pecado que é para morte; não digo que se reze por este. Toda iniqüidade é pecado, mas há pecado que não leva à morte". (1 Jo 5,16-17)
Se há pecados que não levam à morte, fica óbvio que existem pecados mais graves e pecados menos graves. Mas talvez tudo isto esteja muito além das sofisticações teológicas de um Edir Macedo ou de gente corajosa como o anônimo.

Mas o mais curioso é que o machão anônimo, aquele que chama de "frescura" lutar contra o cruel assassinato de seres humanos ainda não nascidos, o mesmo que quer dar aulas sobre a vontade de Deus como se fosse porta-voz autorizado, é curioso como ele, tão cioso de mascarar suas idéias obscuras com uma casquinha de cristianismo à la carte, simplesmente esquece que existe uma Lei que nos foi dada pelo Senhor Deus que é claríssima: "Não matarás".

Quem luta contra o aborto sabe bem que sua luta é exatamente para que este mandamento do Altíssimo não seja esquecido pela sociedade. E o que pode dizer o anônimo-machão-abortista sobre sua teoria do "Quer matar? Deixemos!" ?

O deus (com inicial minúscula mesmo, como ele escreveu) do anônimo é um deus bem fraquinho, um deus que jamais falaria "Não matar", mas que prefere dizer: "Quer matar? Quem sou eu para dizer o contrário?"

Um é o Deus da Vida, do Amor, da Compaixão. O outro é um deus do aborto, do desprezo pela Lei Natural, um deus imoral, um deus de anônimos,
um deus de inicial minúscula, um deus pequeno para corações diminutos, corações que se recusam a sentir compaixão por seus irmãos mais nescesitados.

Enfim, é um deus que só satisfaz mesmo a anônimos que se sentem bem perante o assassinato de crianças.

terça-feira, outubro 19, 2010

Apelo a todos os brasileiros e brasileiras

4 comentários ###
Segue o panfleto com as verdades que o PT e sua corja querem ver omitidas da população.

Apelo a todos brasileiros e brasileiras (frente)

Apelo a todos brasileiros e brasileiras (miolo)

sexta-feira, outubro 15, 2010

A sombra de Dilma

0 comentários ###

Do excelente chargista Emerson de Oliveira, em seu blog.

Pois que falem as pedras!

2 comentários ###

Apesar de tudo o que vem acontecendo nos últimos dias, apesar da tristeza em ver tanta confusão nos últimos meses entre os católicos brasileiros, penso que se algo de bom podemos tirar destas eleições no Brasil é o fato de que estamos assistindo tanto a queda de muitas máscaras quanto ao despertar de muitos outros para a urgência da questão da defesa da vida.

Independentemente de quem seja eleito, a causa pró-vida ganhará força, pois só temos a ganhar quando nosso campo de batalha fica livre da cortina de fumaça que há muito vem nos prejudicando.

Se por um lado temos bispos e padres que em momento delicadíssimo levantam suas vozes como verdadeiros profetas, por outro, infelizmente há religiosos que querem servir de auto-falante de forças que não pouparam jamais esforços a favor do aborto e da Cultura da Morte em geral.

Ao ler uma peça com o pomposo título de "Manifesto de Cristãos e cristãs evangélicos/as e católicos/as em favor da vida e da vida em Abundância!", o que pode ser dito?

Que dizer quando bispos católicos, verdadeiros Sucessores dos Apóstolos, resolvem deixar sua sagrada missão para participar da suja política partidária? Que dizer quando estes bispos ajudam, seja por qual motivo for, a enganar o eleitorado, principalmente aos fiéis católicos? Que dizer quando estes bispos servem não à Santa Igreja, mas aos interesses de um partido, de uma ideologia?

Que dizer de padres, de Sacerdotes do Altíssimo, que se prestam ao papel de divulgadores de mentiras, de acobertadores do mal, de verdadeiros cúmplices de gente que nada mais faz que instrumentalizar a fé?

Mentem tais bispos e padres, e mentem conscientes, pois a própria candidata Dilma Rousseff já declarou que acha absurdo que o aborto não seja descriminalizado no Brasil. Se ela recentemente declarou-se contra o aborto isto é mais esclarecedor ainda do tipo de pessoa que ela é. Isto se o simples fato de ela ser uma terrorista impenitente não fosse já mais do que suficiente.

Já que tais religiosos afirmam que se sentem no dever de falar tais mentiras, e que para tanto até mesmo utilizam de trecho das Sagradas Escrituras ("Se nos calarmos, até as pedras gritarão!" - São Lucas 19, 40), digo eu que prefiro muito mais ouvir as pedras do que dar ouvidos a religiosos que mancham suas ordens sagradas com a mentira.

É uma desfaçatez que tais religiosos venham enganar o povo com uma definição torta do que seja defender a vida, desejando com isto que sua escolha pelo obscurantismo totalitário de uma ideologia assassina ganhe ares de preocupação com os mais necessitados.

Os não-nascidos, aqueles que são implacavelmente perseguidos por todos governos esquerdistas (Espanha, Portugal, Itália, antiga URSS, Alemanha Nazista, etc.), são os que mais necessitam de vozes que lhes defendam o direito à vida. Por isto que clama aos céus a mentira de que "defender a vida é oferecer condições de saúde, educação, moradia, terra, trabalho, lazer, cultura e dignidade para todas as pessoas, particularmente as que mais precisam".

Não! Defender a vida é lutar para que o ser humano tenha assegurado o primeiro de todos os seus direitos que é o direito à existência desde o momento de sua concepção até seu fim natural.

Querer juntar a este direito claro e evidente fatores tais como lazer, cultura, trabalho, etc. é típico de quem procura confundir a questão para juntar uma agenda que passa bem longe da defesa da vida. E é este exatamente o caso do PT e de outras correntes esquerdistas.

É realmente triste para o povo católico ver bispos, padres e outros religiosos que viram o rosto para o lado ao clamor de inúmeros não-nascidos, emprobrecidos até mesmo de suas vidas, perseguidos até no útero de suas mães e até por estas, injustiçados muitas vezes pela culpa de um pai criminoso, e caluniados por muitos como se fossem a causa de males aos que já gozam de seu direito à vida.

Pois que falem as pedras e não estes bispos, padres e freiras, que covardemente esquecem-se dos mais excluídos dentre todos. Elas, as pedras, no papel silencioso que a criação divina lhes deu, mostram-se muito mais eloqüentes que bispos e outros religiosos que procuram diluir o direito à vida para que este caiba na retórica político-partidária-esquerdista, retórica esta que já arrastou milhões para a morte, seja em campos de concentração, seja em gulags, seja pela fome ou, como é procurado pelos favoráveis ao aborto, através do holocausto intra-uterino.

Quão vergonhoso é ver bispos e padres ignorando até mesmo a palavra de um Papa, que ensina que é INEGOCIÁVEL o direito à vida e a proteção da família. Que vergonha é vê-los permitindo que o direito à vida seja de tal forma distorcido para que ele se ajuste às vontades de partidos políticos. Quão lamentável é vê-los chafurdar na lama de simples dispensadores de mentiras, de simples entregadores de falsidades.

Quem diria que o silêncio frio das pedras serviria mais aos católicos que as palavras de tais bispos e padres? Como imaginaríamos que a tinta das paredes de suas catedrais e paróquias teriam mais a ensinar aos fiéis do que a tinta que lhes sai da pena?

Entre o ensino de tais bispos e padres e o das pedras, esperarei pelas palavras das últimas o quanto for preciso.

domingo, outubro 10, 2010

Aviso aos petistas

3 comentários ###

Nos últimos dias nota-se claramente que há petistas rondando este e inúmeros outros blogs católicos e blogs defensores da vida querendo "esclarecer e alertar" aos eleitores católicos sobre o poscionamento de Dilma Rousseff em relação ao aborto.

Aqui neste blog, podem esperar sentados, pois não terão vez e nem voz. Por anos a fio os verdadeiros católicos foram rotulados por petistas com uma infindável quantidade de termos pejorativos, e agora estes mesmos petistas vêm por aqui querendo ensinar algo?

Se ganharem esta eleição, pois que ganhem sem nós, católicos. Ganhem com os "católicos" do naipe de Lula, Dilma, Frei Betto e assemelhados. Há os que aceitam se vender e há os que não aceitam. Procurem os primeiros, vocês se merecem!

Não percam seu tempo! Criem seus blogs ou publiquem suas mentiras junto àqueles que fazem parte de seu jogo sujo. Não lhes devo nada, somente um pé no traseiro.

Não compactuo com aqueles que chamam de "direito humano" o assassinato de crianças e não aceito turba que aqui venha a mando do maior partido abortista do Brasil.


Obrigado, Chalita!

3 comentários ###
O que vai acima é uma mensagem do twitter de Gabriel Chalita. Nesta, o deputado eleito pelo estado de São Paulo informa a seus seguidores sobre a liturgia deste Domingo, no qual um leproso é curado por Nosso Senhor Jesus Cristo e mostra sua gratidão.

Pois eu acho que temos muito o que agradecer a Gabriel Chalita. Acho mesmo que todos os católicos têm que ser eternamente gratos a ele!

Quando a candidatura de Dilma Rousseff começou a fazer água entre outras coisas por causa da questão do aborto, Gabriel Chalita foi convocado para ajudar a remendar a canoa. O remendo dado por Chalita ficou tão meia-boca que ele chegou ao cúmulo de chamar Lula de "católico fervoroso".

Se as palavras de Chalita têm um efeito inebriante para suas e seus chalitetes, para os católicos conscientes de sua missão, que testemunham há anos o ataque sistemático de Lula e seus comparsas aos valores da família e à vida humana, o efeito é totalmente contrário.

Lula, com o passar dos anos, já deu muitas provas de seu "fervoroso" catolicismo. Afinal, para um homem que já se disse sem pecados, o fervor é coisa por demais básica, não é mesmo? Aqui mesmo neste blog já tivemos a oportunidade de ver o fervor de Lula em pleno êxtase, como fica nítido na imagem abaixo, na qual Lula, o imaculado, distribui preservativos para foliões no Carnaval carioca.


Eu chamo isto de imoralidade e, para quem se diz católico, de hipocrisia. Chalita chama de fervor. Então tá.

Temos mesmo muito o que agradecer a Chalita! Como deixar de agradecer-lhe por ele aceitar fazer o papel de ir a TV Record, a TV de Edir Macedo, o mesmo que sempre que pode usa até mesmo a Bíblia Sagrada para defender o aborto? Como deixar de agradecer a Chalita por ele estar ao lado de Dilma Rousseff, uma senhora que é uma nulidade política, mas que aceitou o cargo de fantoche lulista?

Aliás, é esta mesma Dilma que, agora que o assunto veio à tona, diz-se catolicíssima e contra o aborto, mas até pouco tempo atrás ela dizia-se favorável ao aborto e chegou ao absurdo de chamar Nossa Senhora de "deusa", uma besteira tamanha que nem criancinhas aprendendo o catecismo dizem.

Devemos ou não ser gratos a Chalita por ele se prestar a chamar de "boataria" os vídeos e entrevistas nos quais a candidata-fantoche ao ponto de falar que é um "absurdo que o aborto não seja descriminalizado no Brasil"?

E também devemos ser gratos a Chalita quando ele, na mesma entrevista na TV Record, fala em abortos feitos com agulhas de crochê. Esta imagem forte e mentirosa, faz parte do imaginário terrorista/abortista que é sempre utilizado quando os pseudo-argumentos por eles utilizados são postos ao chão. Mas temos muito a agradecer a Chalita por trazer este clássico "argumento" abortista, uma tática produzida nos porões de ONGs para impressionar a opinião pública.

Valeu, Chalita!

Mas o que mais devemos agradecer a Gabriel Chalita é por ele ter a capacidade de exprimir estas palavras:
"(...) acho que é fundamental que a gente tenha essa maturidade de não jogar pedras… Aliás, a base… o Brasil é um país cristão… e a base do cristianismo que é Jesus Cristo, foi um homem que não jogou pedras, foi um homem que fez pontes, que ensinou a amar, que não saiu destruindo as outras pessoas. Então, eu acho que é uma infelicidade às vezes quando uma parte dos cristãos acredita nisso e sai desconstruindo essas imagens, né…"
Nosso Senhor Jesus Cristo realmente não jogou pedras, mas Chalita "esquece" que ele deu boas chicotadas nos vendilhões do Templo. Por que? Por que Nosso Senhor não admitia quem tenta misturar às coisas de Deus algo que lhe é contrário. É preciso desenhar?

Se Nosso Senhor fez "pontes" -- para utilizar um termo ao gosto de Chalita --, faltou o deputado dizer que as tais "pontes" em momento algum passaram perto de uma contemporização com o pecado.

Faltou também o deputado dizer onde é que se está destruindo qualquer pessoa... São as próprias palavras de Dilma Rousseff e dos estatudos do PT que são destrutivas, principalmente para os bebês ainda no ventre de suas mães. Estes é que, na verdade, correm o maior risco de destruição se o programa petista for implantado. Com a defesa de Chalita, claro.

Defesa, aliás, que chegou até mesmo ao ponto de tentar explicar o insustentável, que é a posição de Dilma Rousseff sobre o aborto:
"Ela diz assim: Quando eu afirmo que é uma questão de saúde pública, isso está ligado a cuidar dessa mulher que fez o aborto. Na verdade, cuidar das pessoas, a gente tem que cuidar de todas, mesmo daquele que matou, para que ele se recupere e volte pra sociedade, né?! Aí o que nós colocamos pra ela, inclusive isso foi muito discutido, ela teve um momento com várias lideranças religiosas…"
Querem "cuidar" daquele que matou, mas deixam de lado quem morreu? Isto encaixa direitinho no em entrevistas anteriores de Dilma, nas quais ela diz que o aborto é "uma violência contra a mulher", deixando de lado qualquer compaixão com o bebê que foi trucidado.

É isto mesmo, Chalita? É um discurso destes que você vai à TV defender? E o que acontece com os bebês que nunca poderão "voltar para a sociedade" exatamente porque lhes foi cruelmente negado que pudessem fazer parte dela? É contra a desconstrução de tais discursos que Chalita se incomoda? Então, tá bom.

Por tudo isto só podemos dizer: Muito obrigado, Chalita!

sábado, outubro 09, 2010

Afinal, onde se meteram os favoráveis ao aborto?

2 comentários ###

A força com que o tema do aborto tomou de assalto esta eleição presidencial demonstra que, ao contrário do que deseja o PT e assemelhados e boa parte da grande mídia, a população brasileira está muito preocupada com questões morais.

Elio Gaspari, ao chamar de "baixaria" que tal tema apareça e que se mostre decisivo, demonstra o total descolamento de muitos formadores de opinião sobre o pensamento do brasileiro médio. Além, é claro, de mostrar uma tentativa idiota de direcionar o debate.

Da mesma forma, causa surpresa a muitos que inúmeros brasileiros não caiam nas armadilhas de marqueteiros que pintam o Brasil como país de primeiro mundo, varrendo para debaixo do tapete o aumento geometricamente progressivo da corrupção, as tentativas de cerceamento de liberdade de expressão, a demonização da oposição, etc.

Mas no meio de todo este barulho e versões sobre tais e tais fatos que inundam a imprensa, é de se notar o completo silêncio de feministas e abortistas.

Durante anos e anos, sempre que o tema aborto vinha à tona, invariavelmente aparecia uma feminista "católica" falando as maiores besteiras em sua vã tentativa de combinar cristianismo e abortismo. Durante muito tempo, inúmeras ONGs revezavam-se nas revistas e jornais defendendo o aborto e mostrando-se preocupadíssimas com o -- como elas fazem questão de enfatizar -- "destino das mulheres mais humildes".

Onde está esta patota agora? Será que seus números de telefone subitamente desapareceram das agendas de tantos jornalistas que sempre lhes procuravam? Será que seus endereços de e-mail foram desativados? Qual será, afinal, o motivo para não haver atualmente um único abortista que apareça em revistas e jornais?

Onde está o ubíquo Dr. Thomaz Gollop, sempre tão presente em reportagens favoráveis à descriminalização do aborto?

Onde está a ongueira Dulce Xavier, da ONG "Católicas pelo Direito de Decidir", que não dá uma declaraçãozinha para defender a "catolicidade fervorosa" (by Gabriel Chalita) de Dilma Rousseff?

Quem deu uma olhada no último editorial do site das senhoras decididas sabe bem que elas têm muito o que falar sobre a questão, que estão engolindo um sapo-boi por dia a seco. Por que os jornais e revistas estão negando-lhes espaço desta vez?

Durante anos tivemos de ouvir e ler de feministas e abortistas que o aborto deveria ser discutido pela sociedade. Era um blablablá interminável. Por que será que agora não aparece um acadêmico, uma feminista/abortista para enfrentar a opinião pública, que se mostra esmagadoramente contrária ao aborto, e defender Dilma Rousseff?

Onde estão as "Católicas pelo Direito de Decidir" para reclamar de Dilma e seus marqueteiros, que chegaram ao cúmulo de divulgar uma foto do batizado do neto da candidata para mostrar seu "catolicismo fervoroso"?

Quem lê o site das senhoras confusas nota um samba de uma nota só: laicismo do Estado. Por que atualmente não aparece uma delas para, de peito aberto, dizer que é um absurdo que Dilma tente se fantasiar de católica para angariar votos?

Eis um pequeno trecho do que vai no site das senhoras:
"De toda forma, o que está em jogo de fato no atual debate não é o aborto e sim a democracia. Não está havendo um debate social sobre o aborto, mas sim uma utilização escusa do tema, que está sendo realizada de forma maliciosa, astuta e eleitoreira. Trata-se de um jogo sujo, no qual mais uma vez a vida das mulheres serve como moeda de troca!"
Uau! Será que uma tamanha indignação não encontra espaço na mídia? Que tal um jornalista ir lá perguntar a elas se elas acham mesmo se Dilma Rousseff é contra o aborto? Ou melhor: que tal perguntar o que elas acham de Dilma Rousseff ser contra o aborto? Seria fantástico ler a resposta a esta pergunta!

A verdade é que os abortistas saíram de cena porque é de seu interesse. Eles toleram bem a construção de uma Dilma "católica fervorosa" feita por Gabriel Chalita e pelo PT porque isto lhes trará dividendos no futuro. Sabem bem que o momento é delicado e que uma declaração de que Dilma e PT sempre apoiaram sua causa poderia pôr muita coisa a perder.

É por isto que petistas como a professora Marilena Chauí, como trazido pelo jornalista Reinaldo Azevedo, ao invés de defender que Dilma Rousseff sempre se declarou favorável ao aborto (esta é a verdade!) houve por bem atacar que o tema seja debatido durante a campanha. Se a verdade lhes é desfavorável, eles pegam um outro caminho, não é mesmo?

A verdade é que este pessoal está nem aí para a população. Só lhes importa ganhar votos e nada mais. É exatamente por isto que a revolta de feministas como as "Católicas pelo Direito de Decidir" ficarão bem guardadas em seus sites, para só saírem ou na marcha da vitória ou para atacar um eventual governo de José Serra.

Enquanto nada está decidido, os abortistas aceitam uma posição que lhes é praticamente desconhecida, que é a de ficar longe dos jornais e das revistas. Aceitam, sim, mas vão rangendo os dentes, afiando as garras, destilando o veneno, esperando a oportunidade que lhes será dada no futuro.

sexta-feira, outubro 08, 2010

Comissão Episcopal para Caridade, Justiça e Paz é o núcleo vermelho da CNBB

0 comentários ###

A Comissão Brasileira Justiça e Paz (CBJP), organismo vinculado à CNBB, reagiu com nota aos desdobramentos que o corajoso posicionamento contrário de alguns bispos frente a partidos e candidatos favoráveis ao aborto. Já era mesmo de se esperar tal reação. Demorou, até. Com toda certeza podemos dizer que somente o advento do 2o. turno nesta eleição presidencial é que fez o pessoal da CBJP se movimentar. Quando Lula e sua fantoche plastificada Dilma Rousseff estavam navegando por mares que lhes eram favoráveis, apesar de mostrarem um total afastamento em relação ao que prega a Igreja, a CBJP não movia uma palha.

Onde estava a CBJP quando o escândalo do Mensalão estourou? Onde estava a CBJP quando Lula espertamente enviou carta a bispos dizendo-se cristão enquanto seu governo fazia o possível em favor do aborto? Onde se escondia a CBJP quando padres da cidade de São Paulo faziam abertamente campanha para Marta Suplicy na sua tentativa de ser prefeita daquela cidade?

Existem vários outros exemplos que poderiam ser aqui elencados e em todos o único ponto em comum que teríamos seria a completa omissão da CBJP. Parece que a CBJP escolhe a dedo as brigas que quer brigar, não é mesmo?

Quem já teve a infeliz oportunidade de ler uma de suas "Análises de Cojuntura" pode bem facilmente notar o vocabulário típico de autores esquerdistas, com temas que são muito caros ao PT e partidos assemelhados. Alguém pode mesmo estranhar que agora eles sintam-se no dever de intervir?

Quando o assunto é corrupção no governo petista ou propaganda de padres a candidatos petistas, a CBJP acha melhor olhar para o outro lado. Já quando bispos dizem o óbvio -- que católicos não devem dar voto a abortistas --, aí a CBJP rasga as vestes indignada?

Toda a nota da CBJP é um desastre. Podemos ler trechos como:
"Continua sendo instrumentalizada eleitoralmente a nota da presidência do Regional Sul 1 da CNBB, fato que consideramos lamentável, porque tem levado muitos católicos a se afastarem de nossas comunidades e paróquias."
Certo. AGORA a CBJP preocupa-se com o afastamento de muitos católicos? E que "afastamento" é este? De qual tipo de católicos estamos falando? De "católicos" como Dilma, como Lula? "Católicos" abortistas como ambos? Ora, se são deste tipo, a porta da rua é a serventia. De uma coisa que não necessita a Santa Igreja é de gente que bata palma ou que facilite o assassinato de crianças ainda no ventre de suas mães.

Lamentável mesmo é a omissão de quem diz que luta por Justiça e Paz. Que Justiça, que Paz podem ser alcançadas quando é tolerado ou incentivado o assassinato de bebês?

E na nota vemos trechos mesmo que beiram a desonestidade mais pusilânime:
"Constrangem nossa conciência cidadã, como cristãos, atos, gestos e discursos que ferem a maturidade da democracia, desrespeitam o direito de livre decisão, confundindo os cristãos e comprometendo a comunhão eclesial."
É impressionante como quem fica tecendo louvores à "maturidade" de nossa democracia é quem fecha os olhos para a corrupção institucionalizada pelo PT, quem ignora o assalto sistemático feito às nossas instituições nos últimos tempos, quem pouco se importa com os destinos de crianças que serão abortadas. O "constrangimento" da CBJP parece ter mão única. Questões morais, como o aborto, não lhe parecem fazer corar o mínimo que seja. E é este mesmo pessoal que tem a cara-de-pau de vir falar em "comunhão eclesial"?

Mas o discurso da CBJP é tão caduco, tão sem propósito que é capaz até mesmo de se enrolar. Veja-se este trecho:
"Os eleitores têm o direito de optar pela candidatura à Presidência da República que sua consciência lhe indicar, como livre escolha, tendo como referencial valores éticos e os princípios da Doutrina Social da Igreja, como promoção e defesa da dignidade da pessoa humana, com a inclusão social de todos os cidadãos e cidadãs, principalmente dos empobrecidos."
"Defesa da dignidade da pessoa humana"! É impressionante como quem produziu tal nota não consegue ignorar este ponto, mas, mesmo assim, prefere ficar enrolando, sacrificando o que é moralmente certo diante do altar de suas prioridades distorcidas.

Os referenciais éticos e da Doutrina da Igreja estão sendo defendidos pelos bispos que são contra o voto em abortistas, não pela CBJP e seu discurso cambaleante. Se é a ética e a DSI que servem de referência ao voto dos católicos, os senhores bispos fizeram muito bem em advertir aos fiéis sobre a impossibilidade de voto em partidos e candidatos comprometidos com a aprovação do aborto.

A CBJP deveria então responder se existe alguém mais excluído neste mundo do que um bebê ao qual foi negado o direito de vir à luz? Existe ser mais empobrecido do que os pequeninos que vão parar em latas de lixo hospitalar? Do que aqueles que vão parar nas redes de esgoto após abortos do dia seguinte?

E é contra quem levanta sua voz para impedir que se dê votos a quem é favorável a esta violência que a CBJP vem a público? Faria a CBJP muito melhor se se juntasse ao côro dos bipos.

Mas quem compreende ao menos um pouco o que se passa lá pela CBJP sabe muito bem que o catolicismo tem nada a ver com o que por lá vai. Como já mostrou o jornalista Reinaldo Azevedo em seu blog, o Secretário-Executivo da CBJP é um petista de carteirinha, ou seja, tem credibilidade zero ao tratar do tema e ao dar conselhos a cristãos.

Mas se a coisa vai feia na CBJP, na qual um petista acha por bem que deve divulgar nota espinafrando bispos que não seguem sua cartilha petista, a coisa fica mais feia ainda quando olhamos cria de quem é a CBJP.

A CBJP é ligada à Comissão Episcopal para o serviço da Caridade, Justiça e Paz, que por sua vez é presidida por D. Pedro Luiz Stringhini, que no caso dos padres que faziam campanha para Marta Suplicy achou que deveria apenas "aconselhar" seus padres a não fazerem tal papel. Deu no que deu.

D. Pedro Luiz Stringhini esteve presente em outra polêmica, na qual uma coordenadra de pastoral deu declarações a favor da descriminalização do aborto. Pois bem, à época, quando confrontado com o fato, D. Pedro disse apenas que o mandato da coordenadora estava por terminar.

Um outro bispo, também bem conhecido aqui neste blog, D. Demétrio Valentini, deu declarações na época da polêmica, já que a coordenadora era de uma pastoral sob sua responsabilidade. O posicionamento de D. Demétrio à época é no mínimo estranho vindo de um bispo católico.

Recentemente, D. Demétrio também entrou na atual polêmica envolvendo a questão do voto católico nestas eleições. Evidentemente, mais um vez ele estava do lado errado, o que pode bem ser visto em uma postagem recente aqui neste blog.

Enfim o que fica claríssimo a todos que estão um pouco atentos a estes fatos é que a Comissão Episcopal para Caridade, Justiça e Paz é o núcleo vermelho da CNBB. Quando temos polêmicas relacionadas ao aborto, é de pastorais ligadas a esta Comissão que elas vêm. Quando o PT e assemelhados precisam de gente de dentro da Igreja para passar pito e tentar desautorizar até mesmo bispos, é de gente subordinada a esta Comissão que saem notas à imprensa, como foi o caso da Nota da CBJP.

E isto é só o que atinge a luz do dia... Imaginemos o que por lá acontece na calada da noite.

"Profetização do fim da Canção Nova" - por Emanuelle Carvalho Moura

1 comentários ###

Profetização do fim da Canção Nova

O envolvimento do PT com políticas pró-aborto e as tentativas de legalização desse crime hediondo, tornando-o um direito das mães de matarem a prole é fato conhecido e notificado com todas as provas documentais que se possa imaginar. Um exemplo notório é o PL 1135/91 que prevê a legalização do aborto até o fim da gestação e que foi elaborado por COMISSÃO DO GOVERNO DO PT.

Além de tudo, o Partidão está prevendo censura e outras aberrações em um pacote chamado “Plano de Direitos Humanos”.

Isso tudo foi denunciado pelo Pe. José Augusto. Em link retirado do ar pela Canção Nova, porque esta fez questão de dizer que suas opiniões não manifestavam a opinião da instituição. As opiniões do bravo Pe. José Augusto eram contra o aborto, contra a união civil de homossexuais, contra a censura à imprensa, contra a legalização das drogas e contra a covardia dos católicos que, acomodados, não se preocupam em lutar pela cristianização da sociedade com um voto consciente sobre o quê está sendo planejando para o Brasil com o Plano de Direitos Humanos do PT subscrito por Dilma:

Veja algumas palavras do Pe. José Augusto:

“Chega de sermos católicos mornos, frios e medrosos! [...] Como é que nós ficamos assim, como se nada tivesse acontecendo, numa boa, com medo de perder isso, medo de perder aquilo… que perca tudo! Nós só não podemos perder é Jesus Cristo nessa vida. E a nação brasileira tem que ser uma nação cujo Deus é o Senhor!”.

Mas as opiniões do Pe. José Augusto não manifestam a opinião da Canção Nova. Isso não soa sombrio? A coisa está tão feia que o Pe. Joãozinho da Canção Nova ainda faz apelo contra os bispos de Cristo e insinua claramente ser um cabo eleitoreiro da Dilma:

http://blog.cancaonova.com/padrejoaozinho/2010/10/07/o-momento-politico-e-a-religiao/

O caso clínico Gabriel Chalita

Gabriel Chalita foi eleito porque tinha 4 anos de propagandas eleitorais gratuitas fornecidas pela Canção Nova através de um programa que ele coordenava no canal. Hoje, Chalita zomba dos Bispos fiéis ao Magistério da Igreja, chamando-os de “boateiros”, esse vídeo do Chalita é o mais nojento que eu já vi, o mais asqueroso dos seus pronunciamentos contra a verdade:

http://www.youtube.com/watch?v=xS2pv2z8BP4

O que a Canção Nova fez? Não deu um pronunciamento sobre toda a contra propaganda do atual deputado federal Chalita à Igreja de Cristo, que lhe deu abrigo e acolhimento para que pudesse se eleger no Estado de São Paulo. Mas e quanto ao Pe. José Augusto? A Canção Nova lhe deu a palma da censura. Realmente, deduz-se muito tristemente qual a verdadeira opinião da Canção Nova. Ela varia segundo a quantidade de dinheiro que lhe prometem pagar. Está prostituída, vendida e idolatra o bezerro de ouro. Ela confia nos homens (e em um homem como Gabriel Chalita que já provou ser um traidor da pior espécie). Canção Nova perdeu o temor de Deus para confiar seus porcos centavos a homens. A providência divina lhe fez perder a paciência, Canção Nova quer um cachê generoso do Chalita e da Dilma.

Canção Nova e Padre Antônio Vieira

Mas qual a diferença entre o que a Canção Nova fez e o que os judeus fizeram quando escolheram que se crucificasse o filho do Deus Vivo em troca de um sossego com o governo que comandava sua terra? Pe. Antônio Vieira explica:

“Sendo este conselho tão político, e sendo tão políticos os seus conselheiros, que se seguiu de todas estas políticas? O que se seguiu foi a destruição de Jerusalém, a destruição de toda a República dos Hebreus, a destruição dos mesmos pontífices e fariseus que fizeram o conselho. E por quê? Porque, tendo o conselho tanto de político, não teve o que devia ter de cristão: antes todo ele foi contra Cristo: Collegerunt pontifices et pharisaei concilium adversus Jesum (Jo 11,47). Estas palavras: adversus Jesum, não são do texto, senão da glossa da Igreja. Notai, diz a Igreja, que este conselho foi contra Cristo. E de um conselho contra Cristo que se podia esperar, senão a destruição do mesmo conselho, dos mesmos conselheiros, e de toda a república, que por tais meios pretenderam defender e sustentar? E assim foi. O fundamento político de toda a resolução que tomaram de matar a Cristo foi este: Si demittimus eum sic, venient Romani, et tollent locum nostrum, et gentem (Jo. 11, 48): Se deixamos este homem assim; todos o hão de aclamar por rei, e se se souber em Roma que nós temos rei contra a soberania e majestade do Império Romano, hão de vir contra nós os romanos, e hão de tirar-nos dos nossos lugares, e hão de destruir a nossa gente e a nossa república: pois morra este homem, para que nos não percamos todos.”

“Pois morra Cristo, para que não nos percamos todos”: é isso o que a Canção Nova pensa em fazer? Esconder a morte de inocentes, esconder os planos maquiavélicos de imoralidade previstos pelo Governo do PT? Para que a Canção Nova continue fazendo seu programa de TV diário com segurança e sobretudo dinheiro, e sobretudo com Gabriel Chalita mostrando sua cara cínica na TV? Isso tudo para que morra o Cristo? Crucificando o Cristo? Desfigurando a Igreja de Deus?

Pe. Vieira explica em que resulta política tão obtusa:

“Mas vede como lhes saiu errada esta sua política. Matemos este homem por que nos não percamos todos, — e perderam-se todos, porque mataram aquele homem; — matemos este homem por que não venham os romanos, e tomem Jerusalém, — e porque mataram aquele homem, vieram os romanos e tomaram Jerusalém, e não deixaram nela pedra sobre pedra. Que é de Jerusalém? Que é da República Hebréia? Quem a destruiu? Quem a dissipou? Quem a acabou? Os romanos. Eis aqui em que vêm a parar os conselhos e as políticas, quando as suas razões de estado são contra Cristo.”

Eu não profetizo que a Canção Nova vai cair, quem o profetiza é o Pai do Brasil, Pe. Antônio Vieira, ela vai afundar como assim ocorreu com a Jerusalém dos judeus da época da morte de Cristo. A Canção Nova está sob maldição. E isso basta ver, pensar e refletir porque Deus fala conosco através da consciência. E se “a consciência” da Canção Nova ainda não está pesada, vai ficar em breve. Digo mais: se Dilma ganhar, a primeira instituição que comerá da bolota dos porcos vai ser a Canção Nova. E eu não vou rir disso, mas vou lamentar um desfecho tão óbvio. Porque não me rio da desgraça de nenhum irmão:

“E vós temeis mais a potência dos romanos que a justiça de Deus? Pois castigar-vos-á a justiça de Deus com a mesma potência dos romanos. E vós entregais a Cristo aos soldados romanos para que o prendam e crucifiquem, pois Cristo vos entregará aos soldados romanos, para que vos cativem, vos matem e vos assolem. E vós antepondes a amizade do imperador dos romanos à graça de Deus; pois Deus fará que os imperadores romanos sejam os vossos mais cruéis inimigos, e que venha Tito e Vespasiano a conquistar-vos e destruir-vos. De maneira que todas as políticas dos pontífices e fariseus se converteram contra eles, e das resoluções do seu mesmo conselho se formaram os instrumentos da sua ruína. Disto lhes serviu o temor, o respeito, a dependência e a amizade dos romanos. E este foi o desastrado fim daquele conselho, merecedor de tal fim, pois tinha elegido tais meios.”

Convertei-vos enquanto existe tempo. Porque a verdadeira política é o temor de Deus:

“Senhor. A verdadeira política é o temor de Deus, o respeito de Deus, a dependência de Deus e a amizade de Deus, e a verdadeira arte de reinar é guardar sua Lei.”

Emanuelle Carvalho Moura


***


Sermão da 6a Sexta-Feira da Quaresma de 1662

Padre Antônio Vieira

parte VII

Sendo este conselho tão político, e sendo tão políticos os seus conselheiros, que se seguiu de todas estas políticas? O que se seguiu foi a destruição de Jerusalém, a destruição de toda a República dos Hebreus, a destruição dos mesmos pontífices e fariseus que fizeram o conselho. E por quê? Porque, tendo o conselho tanto de político, não teve o que devia ter de cristão: antes todo ele foi contra Cristo: Collegerunt pontifices et pharisaei concilium adversus Jesum (Jo 11,47). Estas palavras: adversus Jesum, não são do texto, senão da glossa da Igreja. Notai, diz a Igreja, que este conselho foi contra Cristo. E de um conselho contra Cristo que se podia esperar, senão a destruição do mesmo conselho, dos mesmos conselheiros, e de toda a república, que por tais meios pretenderam defender e sustentar? E assim foi. O fundamento político de toda a resolução que tomaram de matar a Cristo foi este: Si demittimus eum sic, venient Romani, et tollent locum nostrum, et gentem (Jo. 11, 48): Se deixamos este homem assim; todos o hão de aclamar por rei, e se se souber em Roma que nós temos rei contra a soberania e majestade do Império Romano, hão de vir contra nós os romanos, e hão de tirar-nos dos nossos lugares, e hão de destruir a nossa gente e a nossa república: pois morra este homem, para que nos não percamos todos. Mas vede como lhes saiu errada esta sua política. Matemos este homem por que nos não percamos todos, — e perderam-se todos, porque mataram aquele homem; — matemos este homem por que não venham os romanos, e tomem Jerusalém, — e porque mataram aquele homem, vieram os romanos e tomaram Jerusalém, e não deixaram nela pedra sobre pedra. Que é de Jerusalém? Que é da República Hebréia? Quem a destruiu? Quem a dissipou? Quem a acabou? Os romanos. Eis aqui em que vêm a parar os conselhos e as políticas, quando as suas razões de estado são contra Cristo. Santo Agostinho: In contrarium eis vertit malum consilium: Vede, diz Agostinho, o mau conselho como se converteu contra os mesmos que o tinham tomado: Ut possiderent, occiderunt, et quia occiderunt, perdiderunt: para conservarem a república, mataram a Cristo, e porque mataram a Cristo, perderam a república. — Oh! quantas vezes se perdem as repúblicas, porque se tomam por meios de sua conservação ofensas de Cristo! Quem aconselha contra Deus, aconselha contra si. E os meios que os homens tomam para se conservar, se são contra Deus, esses mesmos tomam Deus contra eles, para os destruir.

Muitas vezes castigou Deus a República Hebréia, em todos os estados e em todas as idades, por diferentes nações. Deixo os cativeiros particulares no tempo dos Juízes pelos madianitas, e no tempo dos reis pelos filisteus. Vamos aos cativeiros gerais. O primeiro cativeiro geral, em tempo de Moisés, foi pelos egípcios; o segundo cativeiro geral, em tempo de Oséias, foi pelos assírios; o terceiro cativeiro geral, em tempo de Jeconias, foi pelos babilônios; o último cativeiro geral, depois de Cristo, que é o presente, foi pelos romanos. E por que ordenou Deus que os executores deste último cativeiro fossem os romanos, e não por outra nação? Não estavam ainda aí os mesmos egípcios, os etíopes, os árabes, os persas, os gregos e os macedônios, que eram as nações confinantes? Pois por que não ordenou Deus que os executores deste cativeiro fossem estas, ou outra nação, senão os romanos? Para que visse o mundo todo que a causa deste castigo foram as políticas deste conselho. Ora vede.

Três resoluções tomaram estes conselheiros para conservação da sua república, todas três fundadas no temor, no respeito, na dependência e na amizade dos romanos. A primeira notou S. Gregório, a segunda S. Basílio, a terceira Santo Ambrósio. Deixo as palavras por não fazer o discurso mais largo. A primeira resolução foi que, se Cristo continuasse com aquele séquito e aplauso e com as aclamações de rei que lhe dava o povo, viriam os romanos sobre Jerusalém: Si dimittimus eum sic, venient romani (Jo 11,48). A segunda resolução foi entregarem a Cristo aos soldados romanos, porque eles foram os que o

prenderam no Horto e o crucificaram: Judas vero, cum accepisset cohortem (Jo 18,3), que era uma das coortes romanas. A terceira resolução foi persuadirem a Pilatos, governador de Judéia posto pelos romanos, que, se livrava a Cristo, perdia a amizade do César: Si hunc dimittus, non es amicus Caesaris (Jo 19,12). Ah! sim! E vós temeis mais a potência dos romanos que a justiça de Deus? Pois castigar-vos-á a justiça de Deus com a mesma potência dos romanos. E vós entregais a Cristo aos soldados romanos para que o prendam e crucifiquem, pois Cristo vos entregará aos soldados romanos, para que vos cativem, vos matem e vos assolem. E vós antepondes a amizade do imperador dos romanos à graça de Deus; pois Deus fará que os imperadores romanos sejam os vossos mais cruéis inimigos, e que venha Tito e Vespasiano a conquistar-vos e destruir-vos. De maneira que todas as políticas dos pontífices e fariseus se converteram contra eles, e das resoluções do seu mesmo conselho se formaram os instrumentos da sua ruína. Disto lhes serviu o temor, o respeito, a dependência e a amizade dos romanos. E este foi o desastrado fim daquele conselho, merecedor de tal fim, pois tinha elegido tais meios.

Senhor. A verdadeira política é o temor de Deus, o respeito de Deus, a dependência de Deus e a amizade de Deus, e a verdadeira arte de reinar é guardar sua Lei. Os políticos antigos estudavam pelos preceitos de Aristóteles e Xenofonte; os políticos modernos estudam pelas malícias de Tácito, e de outros indignos de se pronunciarem seus nomes neste lugar. A verdadeira política, e única, é a Lei de Deus. Ouvi umas palavras de Deus no capítulo 17 do Deuteronômio, que todos os príncipes deviam trazer gravadas no coração: Cum sederit rex in solio regni sui, describet sibi Deuteronomium legis hujus, legetque illud omnibus diebus vitae suae, ut discat timere Deum, neque declinet in partem dexteram, vel sinistram, ut longo tempore regnet ipse, et filii ejus (Dt. 17,18 ss). Tanto que o rei, diz Deus, se assentar no trono do seu reino, a primeira coisa que fará, será escrever por sua própria mão esta minha Lei, e a lerá todos os dias de sua vida, para que aprenda a temer a Deus, e não se apartará dela um ponto, nem para a mão direita, nem para a esquerda, e deste modo conservará o seu reino para si e para seus descendentes. — Pois, Senhor, esta é a arte de reinar, este são os documentos políticos, e estas são as razões de estado que dais ao rei do vosso povo para sua conservação e para perpetuidade e estabelecimento de seu império? Sim. Estas são, e nenhumas outras. Saber a Lei de Deus, temer a Deus, guardar a Lei de Deus, e não se apartar um ponto dela. Se Aristóteles sabe mais que Deus, sigam-se as políticas de Aristóteles. Se Xenofonte sabe mais que Deus, imitem-se as idéias de Xenofonte. Se Tácito fala mais certo que Deus, estudem-se as agudezas e sentenças de Tácito. Mas se Deus sabe mais que eles, e é a verdadeira e única sabedoria; estudem-se, aprendam-se, e sigam-se as razões de estado de Deus.

Não digo que se não leiam os livros, mas toda a política sem a Lei de Deus é ignorância, é engano, é desacerto,

é erro, é desgoverno, é ruína. Pelo contrário, a Lei de Deus só, sem nenhuma outra política, é política, é ciência, é acerto, é governo, é conservação, é seguridade. Toda a política de um rei cristão se reduz a quatro partes e a quatro respeitos: do rei para com Deus, do rei para consigo, do rei para com os vassalos, do rei para com os estranhos. Tudo isto achará o rei na Lei de Deus. De si para com Deus, a religião; de si para consigo, a temperança; de si para com os vassalos, a justiça; de si para com os estranhos a prudência. Para todos estes quatro rumos navegará segura a monarquia, se os seus conselhos levarem sempre por norte a Deus, e por leme a sua Lei: Consiliorum gubernaculum lex divina, disse S. Cipriano. Os conselhos são o governo da república, e a Lei de Deus há de ser o governo dos conselhos. Conselho e república que se não governa pela Lei de Deus, é nau sem leme. Por isso o reino de Jeroboão, de Bassa, de Jeú, e de tantos outros, fizeram tão miseráveis naufrágios.

O mais político e o mais prudente rei que lemos nas Histórias Sagradas foi Davi. E qual era o seu conselho? Ele o disse: Consilium meum justificationes tuae (Sl. 118,24): O meu conselho, Senhor, são os vossos mandamentos. — Oh! que autorizado conselho! Oh! que prudentes conselheiros! O conselho: a Lei de Deus, os conselheiros: os dez mandamentos. De Aquitofel, aquele famosíssimo conselheiro, diz o texto que eram os seus conselhos como oráculos e respostas de Deus: Tanquam si quis consuleret Dominum (2Sam 16,23). Os Mandamentos de Deus, que eram os conselheiros de Davi, não são como oráculos, senão, verdadeiramente oráculos de Deus. E quem se governar pelos oráculos de Deus, como pode errar? Quando Cristo apareceu a el-rei D. Afonso Henriques, e lhe certificou que queria fundar e estabelecer nele e na sua descendência um novo império, assim como disse a Moisés: Ego sum qui sum: Eu sou o que sou — assim o disse àquele primeiro rei: Eu sou o que edifico os reinos e os dissipo: Ego edificator, et dissipator regnorum sum. Nestas duas máximas resumiu Cristo todas as razões de estado por onde queria se governasse um rei de Portugal. Deus é o que dá os reinos, e Deus é o que os tira. O fim de toda a política é a conservação e aumento dos reinos. Como se hão de conservar os reinos, se tiverem contra si a Deus, que os tira, e como se hão de aumentar os reinos, se não tiverem por si a Deus, que os dá? Se não tivermos contra nós a Deus, segura está a conservação; se tivermos por nós a Deus, seguro está o aumento: Pone me juxta te, et cujusvis manus pugnet contra me (Jó 17,3), dizia Jó, que também era rei: Ponha-me Deus junto a si, e venha todo o mundo contra mim.Se tivermos de nossa parte a Deus, ainda que tenhamos contra nós todo o mundo, todo o mundo não nos poderá ofender; mas se tivermos a Deus contra nós, ainda que tenhamos todo o mundo da nossa parte, não nos poderá defender todo o mundo. Fazer liga com Deus ostensiva e defensiva, e estamos seguros. Eis aqui o erro fatal deste mal-aconselhado conselho dos pontífices e fariseus: por se ligarem com os romanos, apartaram-se de Deus, e porque não repararam em perder a Deus, por conservar a república, perderam a república e mais a Deus. Iste homo multa signa facit (Jo 11,47): Este homem, diziam, faz muitos sinais. — Chamavam sinais aos milagres de Cristo, e, ainda que acertaram o número aos milagres, erraram a conta aos sinais. Os milagres eram muitos, mas os sinais não eram mais que dois. Se seguissem a Cristo, sinal de sua conservação: se o não seguissem, sinal de sua ruína. Cada milagre daqueles era um cometa que ameaçava mortalmente a República Hebréia, se não cresse, e ofendesse a Cristo. E assim foi.

Príncipes, reis, monarcas do mundo, se vos quereis conservar, e a vossos estados, se não quereis perder vossos reinos e monarquias, seja o vosso conselho supremo a Lei de Deus. Todos os outros conselhos se reduzam a este conselho, e estejam sujeitos e subordinados a ele. Tudo o que vos consultarem vossos conselhos e vossos conselheiros, ou como necessário à conservação, ou como útil ao aumento, ou como honroso ao decoro, à grandeza e à majestade de vossas coroas, seja debaixo desta condição infalível: se for conforme à Lei de Deus, aprove-se, confirme-se, decrete-se e execute-se logo; mas se contiver coisa alguma contra Deus e sua Lei, reprove-se, deteste-se, abomine-se, e de nenhum modo se admita nem consinta, ainda que dele dependesse a vida, a coroa, a monarquia. O rei em cuja consciência e em cuja estimação não pesa mais um pecado venial que todo o mundo, não é rei cristão. Quid prodest homini, si universum mundum lucretur, animae vero suae detrimentum patiatur. Que lhe aproveitará a qualquer homem, e que lhe aproveitou a Alexandre ser senhor do mundo, se perdeu a sua alma? Perca-se o mundo, e não se arrisque a alma; perca-se a coroa e o cetro, e não se manche a consciência; perca-se o reino da terra, e não se ponha em contingência o reino do céu. Mas o rei, que por não pôr em contingência o reino do céu, não reparar nas contingências do reino da terra, é certo e infalível que por esta resolução, por este valor, por esta verdade, por este zelo, por esta razão e por esta cristandade, segurará o reino da terra e mais o do céu, porque Deus, que é o supremo senhor do céu e da terra, nesta vida o estabelecerá no reino da terra, pela firmeza da graça, e na outra vida o perpetuará no reino do céu, pela eternidade da glória.

quarta-feira, outubro 06, 2010

D. Demetrio Valentini: suas obras

1 comentários ###

Como acho por demais constrangedor ter que abordar as palavras de bispos, creio que seja bem mais produtivo mostrar suas obras e deixar que elas falem por si só.

O bispo em questão é D. Demétrio Valentini, que mais uma vez veio a público criticar irmãos seus no episcopado que não partilham de sua cartilha esquerdista.

Aqui neste blog, D. Demétrio é velho conhecido. Em fevereiro de 2008, às vésperas da Campanha da Fraternidade que abordaria o tema da defesa da vida, coisa muito esperada pela militância pró-vida brasileira, estourou um escândalo de uma coordenadora nacional de pastoral que deu declarações favoráveis à descriminalização do aborto.

Que fez D. Demétrio, que era o bispo responsável pela Pastoral? Ora, saiu em defesa da coordenadora. Eis um trecho:
  • “Posições radicais e fechadas em torno de temas como o aborto correm o risco de comprometer a Campanha da Fraternidade, a ser lançada na próxima quarta-feira”
  • “é válido o depoimento de Bernadete, pois é um grito que vem não do teórico mas de quem conhece e vive com as mulheres marginalizadas”
  • “O homem comete aborto toda vez que se desinteressa pela vida do filho que pôs na barriga da mulher.”

Pois é... Para D. Demétrio o absurdo não é que uma coordenadora nacional de pastoral defenda a legalidade do aborto, o absurdo é que haja "posições radicais e fechadas" em temas como o aborto.

A coisa fica ainda mais confusa quando vemos que D. Demétrio já assinou carta emitida pela CNBB na qual o aborto era chamado de "delito grave contra a vida humana, pois representa a morte de um ser humano inocente e indefeso".

Ah, sim... Tal carta foi emitida em Roma, quando D. Demétrio participava de um Sínodo dos Bispos para a América. Ou seja, em Roma, junto do Papa, D. Demétrio chama o aborto de "delito grave contra a vida humana..."; em Jales, no conforto de sua diocese, D. Demétrio dá declarações nas quais "posições radicais e fechadas" em relação ao aborto não são aceitáveis.

Afinal, a qual D. Demétrio que devemos dar crédito?

Mas há mais...

A Pastoral da Mulher Marginalizada, que era da responsabilidade de D. Demétrio, exibia em seu site que tinha apoio de inúmeras organizações feministas/abortistas, o que pode ser visto aqui, aqui, aqui e aqui.

Alguém pode dizer que tais apoios deviam ser um descuido ou coisa parecida. Ok. Pode ser. Parece então que o descuido é transmissível, pois no site da Cáritas do Brasil também apareceu com um banner de apoio a uma organização feminista que tem o aborto como uma de suas bandeiras, o que pode ser visto aqui e aqui.

Mas, afinal, o que têm em comum do site da Pastoral da Mulher Marginalizada e o site da Cáritas do Brasil para ambos mostrarem apoios de entidades feministas/abortistas? Se há mais coisas em comum, eu não sei, mas o que sei é que ambas as entidades têm como bispo responsável o próprio D. Demétrio Valentini.

Que baita, que estrondosa coincidência, não?

Deve ser uma destas coincidências absurdas também que levaram D. Demétrio Valentini a rotular seus irmãos no episcopado de fundamentalistas apenas porque na última Assembléia Geral da CNBB inúmeros bispos falaram firmemente contra o tristemente famoso PNDH-3, um pacotão do governo Lula que incluía aborto, cerceamento da liberdade de expressão, uniões gays entre outras coisas mais.

Estas são as obras de D. Demétrio. Quando ele não gosta de uma coisa, não lhe falta mídia para que ele possa até chamar outros bispos de fundamentalistas. Recentemente, D. Demétrio mostrou-se amuado que inúmeros bispos tenham lançado declaração alertando seus fiéis sobre o perigo de se dar votos a candidatos abortistas. Eis o que o prelado declarou ao jornal Diário de Guarulhos:
"A gente sabe que em tempo de propaganda eleitoral a realidade se complica por expedientes antiéticos, sobretudo pela disseminação de acusações, que visam deturpar o nome dos adversários, e tirar vantagem eleitoral. Aí aparecem situações que precisam ser esclarecidas."

Virou antiético bispos abordarem questões morais? O que foi mesmo que os bispos com posições contrárias às de D. Demétrio "deturparam"? Ou D. Demétrio prova por A+B que Dilma Rousseff é contrária ao aborto ou suas palavras voltam-se contra ele mesmo.

Já eu, simples leigo, acho profundamente antiético que entidades católicas mostrem apoio de entidades feministas/abortistas em seus sites. Mas isto sou eu...

Mas D. Demétrio fala mais ao Diário de Guarulhos:
"A nossa instituição foi instrumentalizada politicamente com a conivência de alguns bispos. Eu faço parte da Regional Sul 1 e não fui consultado sobre apoiar ou não essa atitude. Como podem afirmar que é algo que partiu da CNBB?"
Instrumentalização da CNBB? Sério??? Isto acontece? Desde quando? Não é possível este absurdo! Liguem para o Vaticano!

Ora, D. Demétrio... Quando a CNBB faz o papel que agrada a um monte de gente, bispos incluídos, de ficar convocando calote de dívidas, de desapropriação de terras de seus legítimos donos, de desarmamento, etc. e outros absurdos que não encontram qualquer respaldo na Doutrina, ninguém vê este pessoal reclamando.

Agora, quando a CNBB é utilizada para alertar aos fiéis para uma questão moral de suma importância, aí ela é "instrumentalizada". Ora... Tome-nos por bobos, mas não por idiotas.

Mas a grande questão que permanece é o que realmente incomodou D. Demétrio? Se os bispos somente divulgaram coisa que devia ser óbvia, de que um católico consciente de sua missão não deve dar votos para políticos e partidos abortistas, qual o problema?

Faça-nos um favor e aponte o erro de seus irmãos bispos, D. Demétrio. Afinal, todos estamos muito curiosos em saber qual D. Demétrio que está presente entre nós: aquele que chama o aborto de "delito grave contra a vida humana" ou aquele que critica posições "radicais e fechadas" contra o aborto.

Ou será que tudo se resume ao fato de estar em Roma ou na Diocese de Jales?

Elio Gaspari: nem Eremildo iria tão longe

0 comentários ###

Elio Gaspari um dia foi jornalista, hoje em dia não é mais. A partir do momento que um jornalista, quem quer que seja, acha que a verdade não deve ser dita, ainda mais em época eleitoral, é o momento de o indivíduo ou tomar o caminho de casa ou deixar bem claro a seus leitores o que vai em sua cabeça.

Há muito que Elio Gaspari vem se aproximando de um jornalismo "de risco", daquele tipo que vai manipulando a verdade, torcendo dados, tal como um estatístico mal intencionado, até que eles sirvam a seus propósitos.

A última do Gaspari é o que vai abaixo e que foi publicado no jornal "O Globo" na última edição dominical.

"A falta de Ruth

Se Ruth Cardoso estivesse viva, a charanga do tucanato não teria tomado o caminho da baixaria que atribuiu a Dilma Rousseff a defesa da legalização do aborto.

Ela nunca se associou a esse tipo de tática eleitoral. Vale lembrar que seu marido também nunca jogou esse jogo.”

Assim como existe entre nós o respeito que nos impede falar mal dos mortos, talvez Gaspari também devesse exercitar o respeito de não colocar palavras na boca de quem não está aqui para confirmar.


Se ele, Gaspari, sentiu-se incomodado porque o tema aborto finalmente veio à tona em uma campanha presidencial, pois que diga isto com todas as letras, não lhe faltará jornal para publicar seus chiliques, não faltará feminista/abortista para divulgar suas palavras em sites e nas mídias sociais. Invocar os mortos porque lhe falta a coragem para admitir seu incômodo é que pega muito mal.


E, de mais a mais, porque o assunto aborto é "baixaria"? Por que os brasileiros não teriam o direito de saber as idéias da terrorista impenitente Dilma Rousseff sobre esta prática hedionda que é o aborto?


Se Dilma Rousseff se sente incomodada com o tema, pois que venha ela própria a público e diga tal coisa, mas penso que o que ela não necessita é de jornalista chamando de "baixaria" um tema que é discutido em inúmeras democracias mundo afora. Na maior delas, nos EUA, o tema jamais sai de pauta. Curioso que cá entre nós um jornalista respeitado como Gaspari use sua pena para chamar de "baixaria" que a população tenha acesso a tal informação.


Se Ruth Cardoso era e Fernando Henrique é favorável ao aborto, como a quase totalidade dos esquerdistas são, isto era e é lá com eles, e isto explica bem porque eles jamais quiseram que o tema viesse à tona. Mas agora que finalmene o tema aparece vem Gaspari gritar "Baixaria!"?


Mas independente da opinião de Gaspari sobre o assunto, que é irrelevante e panfletária, o que salta mais aos olhos é que ele abandonou tanto o caminho da verdade que esquece até de uma checagem básica dos fatos em seu curtíssimo texto. Dilma Rousseff já deu inúmeras declarações sobre ser favorável à legalização do aborto e isto está disponível em qualquer consulta básica feita pela internet, chegando mesmo a chamar de "absurdo" que o aborto não seja descriminalizado no Brasil.


Ou seja, noves fora (como o próprio Gaspari gosta de escrever) o que resta mesmo é que Gaspari falou uma besteira tamanha que faria Eremildo, o personagem idiota que ele próprio criou, corar de vergonha.


É isto o que acontece quando um jornalista resolve deixar os fatos de lado... Vai de respeitável a abaixo de um Eremildo em um piscar de olhos.

terça-feira, outubro 05, 2010

Tiririca é um palhaço. E qual é tua desculpa, Gabriel Chalita?

0 comentários ###

Seguido ao palhaço Tiririca, o "católico" Gabriel Chalita foi o 2o. deputado federal mais votado no estado de São Paulo.

Se Tiririca ganhou sendo palhaço, Chalita tentou ganhar sendo sério, e católico sério! Se o primeiro teve sucesso, Chalita naufragou exatamente por causa de suas piadas de mau gosto, tais como esta:
"A crítica é boa quando baseada em fatos. Mas essa tentativa de desconstruir pessoas com boatos é muito ruim. Dilma nunca disse ser a favor do aborto."
Se Tiririca arranca risadas ao mostrar o fundo do poço da política nacional, Chalita só traz lágrimas aos olhos de muitos católicos que vêem um homem que poderia ser um bom líder aceitar perverter os princípios católicos por um punhado de votos e talvez por algum cargo em um eventual governo Dilma.

Negar que Dilma seja a favor do aborto é como negar a Lei da Gravidade. Só os palhaços aceitariam fazer tal coisa… Tiririca teria desculpa pronta para tanto, mas e Chalita?

Como trouxe o blogueiro Wagner Moura, eis uma fala recente da fantoche Dilma Rousseff:
"Não haver descriminalização do aborto, no Brasil, é um absurdo!"
Esta é a palavra de Dilma e qualquer coisa além disto é palhaçada de quem quer manipular.

Chalita não concorda com desconstruções baseadas em boatos. Concordo com ele. E será que ele concorda comigo sobre desconstruções baseadas em fatos? Se Dilma acha que é um absurdo que o aborto não seja descriminalizado, contra o aborto é que ela não é. Se não é contra, só pode ser a favor.

A um palhaço como Tiririca, este fato deve bastar. A outros palhaços, pode ser que não... Afinal, há palhaços e palhaços, não é mesmo?

Tão triste quanto ver um católico de fachada, daqueles que deixam de lado os ensinamentos da Igreja pelo canto de sereia do mundo, é ver um palhaço que queira ser levado a sério.